Filmes por gênero

CARTA AO KREMLIN (1970)

The Kremlin letter
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: La lettre du Kremlin (França, Canadá)
Lettera al Kremlino (Itália)
La carta del Kremlin (Espanha)
Der brief an den Kreml (Alemanha)
Brevet till Kreml (Suécia)
List na Kreml (Polônia)
Kremlin kirje (Finlândia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Crime, Drama, Suspense
Direção: John Huston
Roteiro: John Huston, Gladys Hill
Produção: John Huston, Carter DeHaven, Sam Wiesenthal
Design Produção: Ted Haworth
Música Original: Robert Drasnin
Direção Musical: Robert Drasnin
Fotografia: Edward Scaife
Edição: Russell Lloyd
Direção de Arte: Elven Webb
Figurino: John Furniss
Maquiagem: George Frost
Efeitos Sonoros: Renato Cadueri, Basil Fenton-Smith, Leslie Hodgson
Nota: 8.0
Filme Assistido em: 1974

Elenco

Max von Sydow Coronel Kosnov
Bibi Andersson Erika Kosnov, prostituta / esposa de Kosnov
Richard Boone Ward
Nigel Green Travesti
Dean Jagger Salteador
Lila Kedrova Sra. Sophie
Orson Welles Bresnavitch, chefe do Politburo Soviético
Patrick O'Neal Charles Rone
Barbara Parkins B.A.
Ronald Radd Capitão Potkin
George Sanders Warlock
Raf Vallone Fabricante de bonecos
Sandor Elès Tenente Grodin
Anthony Chinn Kitai
Guy Deghy Professor
John Huston Almirante
Fulvia Ketoff Sonia Potkin
Marc Lawrence Padre
Cyril Shaps Médico da Polícia
Christopher Sandford Rudolph
George Pravda Kazar
Hana Maria Pravda Sra. Kazar
Ludmilla Dudarova Sra. Potkin
Dimitri Tamarov Ilya
Victor Beaumont Dentista
Laura Forin Elena Potkin
Rune Sandlund Mikhail
Saara Ranin Mãe de Mikhail

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em plena guerra fria, um oficial da inteligência americana assina um acordo com a União Soviética declarando que ambos os países atacarão a China, e o governo dos EUA monta apressadamente um grupo de agentes de espionagem para recuperar o tratado não autorizado chamado "Carta do Kremlin". A equipe, sob a liderança de Salteador, consiste de Charles Rone, um oficial aposentado da Marinha dos EUA; B.A., filha de um arrombador de cofres que substitui seu pai doente na missão; Janis, uma pequena cafetina de um bordel mexicano; Warlock, um travesti encontrado em um bar gay de San Francisco; e Ward, o principal assistente de Salteador.

Em Nova York, os americanos têm uma lésbica para seduzir Sonia, filha do espião russo Capitão Potkin, a fim de chantageá-lo a entregar seu apartamento em Moscou como base para suas operações. Em Moscou, atacam a residência do Coronel Kosnov, chefe da polícia secreta, que é casado com Erika, a viúva de um espião inimigo. Kosnov está atualmente envolvido em uma luta pelo poder com Aleksei Bresnavitch, chefe do Politburo Soviético. Enquanto isso, B.A., que se tornou amante de Rone, é capturada por Bresnavitch.

Quando Ward deixa temporariamente o país, Potkin confessa a Bresnavitch o que aconteceu. Este tem outro problema, no entanto: Rone descobriu que ele é um traidor e que a “Carta do Kremlin” está em Pequim. Ward também é revelado como um traidor, trabalhando para Bresnavitch. Após seu retorno, Ward mata Erika, que havia elaborado um plano para Rone fugir da Rússia, e no aeroporto, ele também mata Kosnov, um velho amigo que o enganou vários anos antes. A essa altura, Rone está pronto para se aposentar, mas Ward só libertará B.A. se ele voltar aos Estados Unidos para mais uma missão: assassinar a esposa e a filha de Potkin.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta John Huston, a partir de um roteiro por ele escrito juntamente com Gladys Hill, “Carta ao Kremlin” é um filme produzido pela Twentieth Century Fox em 1970. Sua trama, baseada num romance de Noel Behn, trata do universo da espionagem, com seus golpes baixos, traição e exploração das fraquezas do outro, com seus personagens sem moral, mercenários que podem até mudar de lado facilmente. Sem dúvida, trata-se de um dos melhores exemplos do fascínio de Huston pela complexidade da natureza humana.

Embora não alcance o nível de outros filmes seus, como “Relíquia Macabra”, “O Tesouro de Sierra Madre” e “Uma Aventura na África”, dentre outros, a direção de Huston é de muito boa qualidade. A fotografia de Edward Scaife e a trilha sonora assinada por Robert Drasnin, onde se destaca a canção “Love Is a Many-Splendored Thing”, de Sammy Fain, são dois outros quesitos que merecem elogios.

No elenco, Bibi Anderson e Max Von Sydow, na pele de um casal totalmente degenerado, se mostram perfeitos, seguidos pelas boas atuações de Richard Boone, George Sanders e Orson Welles.

CAA