Filmes por gênero

O JARDIM DOS FINZI-CONTINI (1970)

Il giardino dei Finzi-Contini
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Der garten der Finzi Contini (Alemanha)
O jardim onde vivemos (Portugal)
The garden of the Finzi-Continis (USA)
Le jardin des Finzi-Contini (França)
El jardín de los Finzi Contini (Espanha, Argentina, Peru)
Der Garten der Finzi Contini (Alemanha)
Den förbjudna trädgården (Suécia)
Den forbudte have (Dinamarca)
Сад Финци-Контини (União Soviética)
Pais: Itália, Alemanha
Gênero: Drama, 2ª Guerra Mundial
Direção: Vittorio De Sica
Roteiro: Ugo Pirro, Vittorio Bonicelli
Produção: Gianni Hecht Lucari, Artur Brauner, Arthur Cohn, Fausto Saraceni
Design Produção: Giancarlo Bartolini Salimbeni
Música Original: Manuel De Sica
Direção Musical: Carlo Savina
Fotografia: Ennio Guarnieri
Edição: Adriana Novelli
Figurino: Giancarlo Bartolini Salimbeni
Guarda-Roupa: Antonio Randaccio
Maquiagem: Giulio Natalucci
Efeitos Sonoros: Max Galinsky, Massimo Loffredi, Franco Bassi
Efeitos Especiais: Enrico Catalucci
Nota: 8.6
Filme Assistido em: 1971

Elenco

Lino Capolicchio Giorgio
Dominique Sanda Micòl Finzi-Contini
Fabio Testi Giampiero Malnate
Romolo Valli Pai de Giorgio
Helmut Berger Alberto
Camillo Cesarei Pai de Micòl
Inna Alexeievna Avó de Micòl
Katina Morisani Mãe de Micòl
Barbara Pilavin Mãe de Giorgio
Raffaele Curi Ernesto
Cinzia Bruno Micòl, mais jovem
Alessandro D'Alatri Giorgio, mais jovem
Camillo Angelini-Rota Prof. Ermanno Finzi-Contini
Katina Viglietti Olga Finzi-Contini
Enzo Nigro Agente da OVRA
Michael Berger .
Ettore Geri .
Gianpaolo Duregon .
Marcella Gentile .

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira (Itália)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio Nações Unidas (Vittorio De Sica)

Festival Internacional de Berlim, Alemanha

Prêmio Urso de Ouro (Vittorio De Sica)

Prêmio Otto Dibelius (Vittorio De Sica)

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Filme

David Especial (Lino Capolicchio)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Ator Coadjuvante (Romolo Valli)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Design de Produção (Giancarlo Bartolini Salimbeni)

Prêmios Globo D'Oro, Itália

Globo d'Oro de Melhor Revelação Masculina (Fabio Testi)

Círculo dos Críticos de Cinema de Kansas City, USA

Prêmio de Melhor Direção de um Filme Estrangeiro (Vittorio De Sica)

National Board of Review, USA

Prêmio NBR dos Melhores Filmes Estrangeiros

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (Ugo Pirro, Vittorio Bonicelli )

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Fotografia (Ennio Guarnieri)

Prêmios Grammy, EUA

Grammy de Melhor Trilha Sonora para Mídia Visual (Manuel De Sica)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No final da década de 1930, em Ferrara, um grupo de jovens amigos se reúne para as tardes de tênis e momentos de diversão. Alguns deles são judeus e uma crescente onda de fascismo impôs restrições cada vez mais anti-semitas em suas vidas. Impedidos de freqüentar clubes de tênis, eles vão jogar numa grande propriedade que pertence aos Finzi-Continis, uma família judia abastada, intelectual e sofisticada, onde os jovens Alberto e sua irmã Micòl participam.

Entre os visitantes, há um homem que disputa a bela, alta e loira Micòl Finzi-Contini. Giorgio, seu amigo judeu de infância, de classe média, sente-se com direito ao seu coração. Uma série de flashbacks mostra como Giorgio costumava esperar por ela do lado de fora da propriedade. Agora, como adultos, eles desfrutam de sua companhia mútua e Micòl dá especial atenção a ele. Certo dia, ao se protegerem de uma chuva em um gazebo, Giorgio tenta tocá-la, mas ela o rejeita.

Alberto, cuja saúde é frágil, desfruta de uma amizade próxima com Giampiero Malnate, um gentil e simpático socialista. O pai de Giorgio considera os Finzi-Continis tão diferentes que nem parecem ser judeus. Riqueza, privilégio e gerações de posição intelectual e social os criaram em uma família tão orgulhosa quanto vulnerável. Os outros judeus da cidade reagem aos seguidores de Mussolini de várias maneiras: Giorgio se mostra enfurecido, seu pai é filosófico, mas os Finzi-Continis dificilmente parecem saber ou se importar com o que está acontecendo.

Giorgio, que está prestes a se formar, torna-se um visitante frequente da vila Finzi-Continis, onde ele pode usar a sua extensa biblioteca. Ele se acha apaixonado por Micòl, e ela parece corresponder ao seu sentimento, embora inesperadamente viaje para Veneza a fim de ficar com seus tios. Ao retornar, ela passa a rejeitar friamente qualquer demonstração de afeto por parte Giorgio. Em vez disso, ela mantém um caso com Giampiero, um homem que ela diz desprezar por ser  vulgar, grosseiro e esquerdista. Espreitando por uma janela, Giorgio descobre Giampiero e Micòl juntos, o que o deixa desolado.

Os eventos políticos se aproximam. Uma viagem para visitar seu irmão Ernesto em Grenoble expõe Giorgio às notícias da perseguição nazista, fazendo com que ele retorne à Ferrara. Quando a União Soviética é invadida pela Alemanha, Giampiero é recrutado e enviado para a frente russa. Em 1943, todos os jovens judeus que costumavam frequentar o Jardim dos Finzi-Continis foram presos e Giampiero morto na frente russa.

Quando o frágil e doente Alberto morre, soldados italianos estão à procura dos judeus de Ferrara. Os Finzi-Continis são abruptamente retirados de seu contentamento e isolamento ilusório. Separada de seus pais, Micòl e sua avó frágil e perturbada são colocadas em uma antiga sala de aula. Elas ficam surpresas ao encontrarem o pai de Giorgio, que lhes diz que espera que o filho e o resto de sua família tenham conseguido ir para o exterior. O destino dos judeus de Ferrara é a deportação para os campos de concentração.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Vittorio De Sica, a partir de um roteiro escrito por Ugo Pirro e Vittorio Bonicelli, “O Jardim dos Finzi-Contini” é um filme produzido pelas empresas Documento Film e CCC-Filmkunst em 1970. Sua trama, baseada num livro autobiográfico de Giorgio Bassani, fala das perseguições sofridas pela comunidade judia na Itália fascista durante a 2ª Guerra Mundial.

Além do ótimo trabalho desenvolvido por De Sica, o filme é muito bem fotografado em Eastmancolor, por Ennio Guarnieri, e apresenta uma excelente trilha sonora assinada por Manuel De Sica.

No elenco, Lino Capolicchio e Romolo Valli brilham em seus respectivos papéis, seguidos pelas ótimas atuações de Dominique Sanda e Fabio Testi.

CAA